Para mais informações sobre a EFF, visite nossa página “sobre nós” (em inglês)

Electronic Frontier Foundation é uma organização sem fins lucrativos que sempre esteve na linha de frente da defesa de liberdades civis no mundo digital. Fundada em 1990, a EFF trabalha para proteger e fortalecer direitos humanos e direitos constitucionais conforme aumenta o nosso uso da tecnologia. Em nossos esforços para defender a liberdade de expressão online, combater a vigilância ilegal, defender usuários e inovadores e apoiar tecnologias que intensifiquem a liberdade, a EFF conta com a expertise de profissionais de ponta, como especialistas em tecnologia, ativistas e advogados. A EFF defende a privacidade dos usuários, a liberdade de expressão e a inovação por meio das seguintes ações:

Litigância de impacto: Desde sua fundação em 1990, a EFF tem uma trajetória sólida e é reconhecida por assumir casos decisivos, desafiar adversários difíceis e conquistar vitórias paradigmáticas. A EFF já foi vitoriosa em ações judiciais contra o governo federal, a Comissão Federal de Comunicações (FCC – Federal Communications Commission), contra as maiores empresas mundiais do entretenimento e grandes empresas de eletrônicos, entre outros casos.

Análise de políticas públicas e advocacy: Faz parte do cotidiano da EFF se envolver em grandes disputas legislativas, enfrentando projetos de lei de censura digital disfarçados como propostas de propriedade intelectual, resistindo a tentativas de obrigar as empresas a vigiar seus usuários, defendendo mudanças legislativas para frear a vigilância governamental e muito mais. A EFF também contesta os excessos cometidos por empresas – da mesma forma com que contestamos abusos de poder pelos governos – na medida em que determinadas corporações muito poderosas tentam acabar com a liberdade de expressão online, impedir que inovações cheguem aos consumidores e facilitar a vigilância por parte de governos.

Ativismo de base: A EFF empodera milhares de pessoas por meio do nosso Action Center; oferece consultorias práticas sobre segurança para ativistas por meio do projeto Surveillance Self-Defense (disponível em 11 idiomas); fornece materiais de treinamento no tema da segurança digital por meio do Security Education Companion; traz à tona as tecnologias avançadas de vigilância que as autoridades utilizam rotineiramente em nossas comunidades por meio do Street Level Surveillance; e mobiliza uma associação robusta de grupos afiliados por meio da Electronic Frontier Alliance.

Desenvolvimento de tecnologia: A EFF desenvolve tecnologias que podem ajudar as pessoas a proteger sua privacidade e sua segurança online. Elas são criadas por nossos especialistas em tecnologia e livremente disponibilizadas para que qualquer pessoa possa utilizar. Algumas das nossas ferramentas são:

  • Privacy Badger: uma extensão para o seu navegador de internet que aprende, automaticamente, a bloquear o rastreamento invisível feito por terceiros
  • HTTPS Everywhere: uma extensão para o seu navegador que criptografa sua comunicação com vários dos principais sites
  • Certbot: um cliente automático de fácil utilização, que busca e emprega certificados SSL/TLS para o seu servidor de internet.

Juntos, nós criamos uma rede ampla de membros e organizações parceiras ao redor do mundo.

A EFF é uma organização sem fins lucrativos, financiada por doadores, segundo a regulação US 501(c)(3). Nós dependemos do seu apoio para continuar a lutar por direitos no uso e desenvolvimento de tecnologias.

Estamos muito felizes de poder oferecer uma parte do nosso conteúdo em português.

Aqui você encontra mais informações sobre a EFF que podem ser úteis (em inglês):

Para perguntas, pedidos ou consultas variadas: info@eff.org

GPG Key Fingerprint: F2F2 1BB8 531E 9DC3 0D40 F68B 11A1 A9C8 4B18 732F

Para mais informações, veja nossa página de Contato (em inglês).

Se você quiser saber mais sobre como pode ajudar a traduzir os materiais da EFF, veja nossa página Translating with EFF.

5 falhas graves no novo "PL das Fake News” brasileiro que vão comprometer os direitos humanos [ATUALIZADO]

Atualização: Na terça-feira (30), o Senado Brasileiro aprovou o PLS 2630/2020, o chamado PL das “Fake News.” Uma emenda retirou alguns trechos do art. 7° com o resultado de que a identificação obrigatória não se aplique a todos os usuários e seja, em princípio, opcional em geral. De acordo...
brazil fake news bill

O projeto de lei brasileiro de "fake news" ataca direitos cruciais na rede e está em um caminho acelerado para se tornar lei

Atualização: Um novo relatório foi divulgado pouco antes da votação marcada para 25 de Junho. Ele não inclui medidas de bloqueio e localização de dados, porém as regras de vigilância e identificação permanecem. Veja análise da Coalizão de Direitos na Rede. Apesar das denúncias generalizadas sobre seus efeitos...
International issues banner, a colorful graphic of a globe

Nova tentativa apressada de conter as fake news no Brasil atinge em cheio a privacidade e a liberdade de expressão

O Senado brasileiro se apressa para aprovar um projeto de lei que compromete seriamente a privacidade e a liberdade de expressão. Chamado de “Lei das Fake News,” o PLS 2630/2020 visa tratar de um problema complexo, para o qual as respostas devem ser cuidadosamente desenhadas de maneira democrática e...
An array of laptops, each with a virus image, except one, which has a surveillance eye.

Passaporte de Imunidade é Ameaça a Privacidade e a Segurança de Dados

Com estados começando a relaxar restrições de isolamento, a discussão sobre COVID-19 agora entra em questões de quando e como podemos voltar ao trabalho, levar os filhos para a escola ou planejar uma viagem de avião. Vários estados norte-americanos e países, por exemplo o Reino Unido, Itália, Chile, Alemanha e...
Portrait of Glenn Greenwald against a dark background. Photo by David dos Dantos CC-BY

Quando Crimes Cibernéticos São Usados Para Silenciar Jornalistas: Por que a EFF Se Opõe às Acusações Contra Glenn Greenwald

Nesta semana, procuradores no Brasil apresentaram denúncia contra Glenn Greenwald, um jornalista consagrado internacionalmente, mais conhecido por publicar documentos vazados detalhando a espionagem em massa feita pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA). A acusação contra Greenwald é uma tentativa de usar legislação de crimes cibernéticos para silenciar...
Free Speech banner, an colorful graphic representation of a megaphone

Declaração da EFF sobre as Acusações Contra Glenn Greenwald

A EFF expressa sua perplexidade ao saber da decisão do Ministério Público Federal brasileiro de apresentar denúncia contra o jornalista Glenn Greenwald com base na lei de crimes cibernéticos do país. A EFF há muito tempo alerta que as leis de cibersegurança nas Americas vêm sendo escritas e...

Direitos de Pesquisadores de Segurança e Hackers Estão em Risco no Brasil, e os Danos Podem Afetar a Todos

Um projeto de lei em tramitação no Senado brasileiro (PLS 272/2016) altera a atual lei antiterrorismo para classificar como "ato terrorista" a ação de interferir, sabotar ou danificar sistemas de informática ou bancos de dados, com motivação política ou ideológica, com o fim de desorientar ou dificultar...
DRM

Portugal Proíbe Uso do DRM para Limitar Acesso a Obras no Domínio Público

Na EFF, já acostumamo-nos a receber más notícias sobre direitos autorais na Europa. Então é encorajador ouvir que Portugal recentemente aprovou uma lei de direitos autorais que ajuda a encontrar um equilíbrio mais justo entre usuários e detentores de direitos autorais em relação ao DRM. Essa lei não elimina...

Quem defende seus dados no Brasil? Segundo relatório anual mostra melhora na privacidade das telecomunicações

Tradução de: Ana Luiza Araujo Hoje, o InternetLab, um dos principais centros de pesquisa independente em políticas de Internet no Brasil, lançou seu relatório de 2017 sobre companhias de telecomunicação locais e como elas lidam com as informações privadas de seus clientes. “Quem defende seus dados?” procura...

Como alterar suas configurações do WhatsApp antes que o compartilhamento de dados com o Facebook comece

Atualização (16/9/16): Deixamos mais claro que os usuários têm 30 dias depois de verem pela primeira vez a atualização da política de privacidade do WhatsApp para concordar ou não com seus termos. Também deixamos mais claro que contas criadas após 25 de agosto ingressam no serviço sob a nova política...

Pages